Baixe
GRÁTIS
o seu
eBook!
x

IC Week Rio 2018: tudo sobre destination wedding com Raquel Abdu

Por  |  0 Comentários


Os destination weddings têm crescido exponencialmente e se tornado uma grande realidade para aqueles que estão com o pé no altar. E quem melhor do que falar sobre as dores e delícias de um se não a expert ? Veja tudo o que rolou aqui e agora!

Ela é a queridinha de 10 dentre 10 noivos (e também profissionais!) quando o assunto é destination wedding. É também uma superparceria da IC – e por esses (e infinitos outros!) motivos, jamais poderia ficar de fora da programação do Teatro IC. Então no domingo, às18h, ela subiu ao palco com toda sua elegância e simpatia para bater um papo sobre como organizar e transformar essa aventura em uma experiência magnífica e livre de traumas. Veja os pontos abordados e todos os detalhes agora!

1) POR QUE EMBARCAR NESSA AVENTURA?

A busca por mais tempo de festa, ao lado de pessoas especiais, faz com que os casais recorram cada vez mais ao destination wedding, independentemente de onde ele seja. Entretanto, os dias de comemoração aumentam e as preocupações também. “Os casamentos se tornam mais intimistas, porque a preocupação por estarem levando os convidados para cidades que não residem acaba gerando a dúvida de baixas na lista de presença. É natural sim que ela aconteça – e geralmente gira em torno de 30% –, mas tudo vai depender da intimidade dos noivos com os convidados”, completou. Quanto mais a intimidade, menor a ausência de pessoas!

2) COMO FAZER A LISTA DE CONVIDADOS?

Primeiro de tudo, é necessário entender o formato do casamento. “Existe duas possibilidades: o casal ou os pais pagarem por ele. Quando é uma realidade dos pais, tem que reservar uma parte da lista para eles; caso contrário, deve haver alguns cuidados, como por exemplo, organizar a lista por grupos, porque lá na frente, se tiver que cortar alguém, corta o grupo inteiro e evita mal-estar entre as pessoas”

3) ONDE VOU CASAR?

Existe muitos lugares incríveis, mas o mais legal é escolher um lugar que faça sentido para vocês como casal e para a história de vocês. Tem que ter uma ligação!

Raquel também lembrou que as visitas técnicas têm que acontecer, principalmente por ser essencial conhecer o local pessoalmente e não só por foto. “Uma coisa é você chegar no lugar e o coração bater mais forte, outra coisa é achar bonito só por foto. Tem que entender o lugar, conhece-lo e conhecer a logística dele também”, explicou. “Você só passa a entender o que não quer quando conhece, por isso a visitação é de extrema importância, porque dá para conhecer detalhe por detalhe”.

Outro detalhe bacana do destination é que ele pode centralizar a cerimônia e a recepção no mesmo lugar – isso facilita (e muito!) a vida dos convidados.

4) QUAL A MELHOR ÉPOCA DO ANO?

“Quando a gente escolhe casar na praia, escolhe casar com risco”, indicou. Por isso é muito importante conhecer a cidade e entender qual a melhor época para casar nela. “Escolham os meses menos chuvosos e, de resto, apostem na ideia. Depois que se aposta, entra em cena o plano B, que deve ser melhor elaborado do que o plano A”.

5) DIA X NOITE: O QUE COMBINA COM O ASTRAL DOS NOIVOS?

Isso tem a ver com a história deles. O casal tem que curtir a ideia de casar de dia ou de noite!

6) SAVE THE DATE E SITE DE CASAMENTO

Eles são muito importantes porque comunicam aos convidados a data do casório. No Save the Date vai o link com o endereço do site, enquanto no site deve haver todas as dicas que vão precisar para estar com vocês, como por exemplo, transfer, serviços de cabelo e maquiagem, hotel, etc. Isso porque eles começam a se indagar com várias questões, então é essencial saná-las. “Em um destination wedding, é necessário dar mais suporte aos convidados para ele estar mais seguro para ir e curtir o casamento como merece. Por isso as dicas no site são de extrema importância”.

O envio do Save the Date é de seis a oito meses de antecedência. “Quanto maior a antecedência, maior a disponibilidade dos profissionais, serviços e convidados”.

7) QUERO CASAR NA IGREJA: TEM JEITO?

Tem sim! “Na igreja católica, por exemplo, o padre vai até a cerimônia dar uma bênção, mas só no caso de vocês terem casado antes na igreja. É preciso isto para ter validade religiosa”, indicou Raquel. E, segundo ela, existem várias opções para fazer isso se tornar bacana: na véspera, para familiares, no mesmo dia… É só saber buscar o melhor formato para o casal.

8) RECEPÇÃO E SUAS MINÚCIAS

  • Montem um cronograma geral de tudo o que vai acontecer. “Quando você tem a oportunidade de escolher um destination wedding, você também abre a possibilidade de se reinventar, como deixar um mimo no hotel de cada convidado”
  • A decoração é muito importante porque faz parte da estrutura elaborada pelo cerimonial. Ela condiz com as escolhas e acontece dentro das possibilidades de um casamento na praia
  • Quando se fala de atração… “Acho muito legal, desde que tenha a identidade de vocês. Se vocês gostam de rock, mas a família é toda baiana, talvez não seja o mais adequado para aquele público”
  • Hora extra: é um ponto a ser conversado, porque se for contratar o serviço, é importante avaliar o que realmente vai valer a pena. “Tem que ver se o público vai ficar de fato até o final, se todos os serviços comportam, etc”

9) A ESCOLHA DOS PROFISSIONAIS

Ela é pautada no que vocês querem e esperam do evento, então o indicado é buscar muitas referências, principalmente com pessoas que já utilizaram o serviço, e também conversar no olho a olho, porque nada supera um contato pessoal. “Tem que estruturar um grupo de fornecedores para que eles tenham a cara de vocês. Nisso o assessor pode ajudar e muito, porque dão um norte aos noivos, fazendo um exercício do que gostam e do que não gostam”. E ainda completou: “os profissionais querem entender o perfil dos casais para poder oferecer um serviço com base nas preferências deles”.

10) PRECISAMOS MESMO DE UMA ASSESSORA?

“Sim! Principalmente no primeiro momento, onde se estrutura o casamento. E na hora de executar, ela executa o que planejaram juntos. É como se fosse uma orquestra, onde o maestro é o cerimonial e os fornecedores os músicos, que ensaiam antes para no dia não haver falhas”, finalizou a cerimonialista

+ 5 DÚVIDAS FREQUENTES

  • Quanto tempo antes começar o planejamento? O quanto antes, por conta da disponibilidade dos profissionais.
  • Incluir o noivo nos preparativos? Sempre! Afinal, a festa é dele também. “Puxe-o para algumas decisões, porque quanto mais ele participar, mais a cara de vocês fica”
  • Como ser uma noiva elegante? Seja você! Não perca sua essência, pois a elegância está nela
  • Fazer um roteiro de fotografia? Sim! Porque no dia a emoção é muita e podem acabar se esquecendo de alguém importante para vocês. “É até bom para avaliar se estão com muitas fotos para fazer ou não. Inclusive o cerimonial pode ajudar a organizar melhor o roteiro, para que não deixem de fazer nenhuma foto importante”
  • Cumprimentos na pista de dança? Depende muito de casal para casal, mas a maioria opta por não fazer e cumprimenta na pista de dança. Mas atenção: é importante acontecer algum tipo de agradecimento!

Incrível né? Acompanhe mais informações sobre o que rolou no IC Week Rio aqui no site!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Uma sagitariana que tem a alegria como dom. É carioca, jornalista, tem 20 poucos anos e adora ser chamada de Duda. Como uma amante incurável de sorrisos e amores, espera que seu grande dia seja repleto deles. E que, assim como ela, você se torne uma multiplicadora fiel dessa dupla!