IC Week RJ abre espaço para debate sobre fotografia

Por  |  0 Comentários


O IC Week RJ também abriu espaço para alguns dos melhores fotógrafos da cena carioca. Venha saber o que rolou durante o debate!

Ninguém pode negar que a fotografia do casamento é um dos temas de mais interesse dos casais prestes a subir no altar. Talvez por isso a mesa-redonda sobre o assunto neste domingo, 17, tenha sido tão bem recebida pelo público do IC Week RJ 2016. Modéstia parte, reunimos um time de peso: , Laurence Aszmann, Marina Fava, Giovani Garcia e Victor Miguel. Os assuntos? Todas as dúvidas que vocês podem ter na hora de contratar esses profissionais – afinal, como eles mesmos pontuaram, é o fotógrafo quem está com a noiva do making of ao final da festa.

QUE ABORDAGEM FUNCIONA MELHOR: ESPONTÂNEA OU COM FOTOS POSADAS?

O assunto foi unanimidade entre os participantes da mesa. A melhor receita é mesclar cliques espontâneos a fotos posadas com a família, por exemplo. “Eu acho que tudo é muito particularizado. A gente tem que entender o estilo dos noivos, o que ela pretende durante o evento e adequar nosso trabalho ao que ela precisa. O making of é algo espontâneo, mas quando a noiva está pronta fazemos fotos posadas. Durante a cerimônia e festa as coisas outra vez estão acontecendo, então pegamos momentos espontaneamente, mas há também as fotos de família”, opinou Aszmann.

A jornalista Antonia Leite Barbosa, colunista da Inesquecível Casamento que ajudou Bruno Chateaubriand a conduzir o debate, levantou outro ponto a ser considerado: tirar fotos posadas com todas as pessoas importantes para os noivos demanda muito tempo, o que prejudica a duração da festa. Em seu casamento, ela também pediu à equipe de fotógrafos que não passasse todo o tempo registrando seus passos, mas também fotografasse os convidados. O comentário teve total aceitação entre os profissionais presentes. “A fotografia documental com que eu trabalho é a fotografia de você contar uma história. E os noivos nunca estão sozinhos na sua história”, afirmou Rechtman.

“Além disso, a gente também não trabalha sozinho. É o nosso nome que está aqui, mas temos uma equipe que atua em todas as frentes para não perdermos nenhum momento”, completou Marina. Victor Miguel foi além, exemplificando que alguns momentos pedem fotos com diferentes approachs. “Precisamos registrar um close do beijo dos noivos, mas ter uma imagem mais aberta, que retrate a emoção dos pais, é muito interessante”, disse.

FLASH: PODE?

  • “Eu não costumo usar flash. Caso esteja muito escuro, precisamos fazer preenchimento com luz, mas eu prefiro segurar a imagem natural. A noiva gastou muito dinheiro com decoração, eu não posso permitir que o flash deixe tudo branco, estragando a produção”, afirmou Giovani.
  • “Eu concordo, a gente não pode influenciar a arte do decorador. Por isso eu sempre falo na identificação de quem está contratando com o fotografo. Na cerimônia eu não uso flash, mas na festa às vezes é necessário e, quando isso acontece, eu acho que a postura do fotógrafo pode incomodar mais do que o próprio flash”, opinou Alexandre.

ÁLBUM DE CASAMENTO: POR QUE DEMORA TANTO PARA FICAR PRONTO?

Conforme pontuou Bruno Chateaubriand, vivemos em um mundo cada vez mais imediatista. Com isso, a ansiedade para receber o álbum de casamentos costuma afligir os casais recém-casados. Por isso, resolvemos estender a pergunta aos profissionais: por que demora tanto – de três a quatro meses após a festa – para ele ficar pronto? A resposta foi um tanto quanto surpreendente. De acordo com eles, a maioria das noivas demora muito para selecionar as fotos. “Por isso eu incluí no meu contrato um prazo para a noiva”, comentou Marina.

“Realmente, as pessoas têm muita falta de tempo. Às vezes a gente manda 2 mil fotos para a pessoa e ela demora para escolher. E aí é muito sazonal, porque parece que em alguns fins de semana todo mundo resolve selecionar as fotos do casamento e na segunda-feira você tem vários projetos para tocar. Uma coisa que eu comecei a fazer é usar a câmera com WiFi, porque no dia seguinte a gente já manda uma seleção com cerca de 20 fotos para acalmar os noivos e deixá-los postar à vontade”, disse Victor.

Mas vale pontuar: é sempre interessante, mesmo nas redes sociais, dar o crédito das fotos para o artista responsável por elas. “E, muito importante, não aplicar filtro de Instagram em cima das imagens”, brincou Alexandre. Aszmann não poderia concordar mais. Para ele, isso acaba com o pensamento artístico da foto.

E QUAL O TIMING DO PAGAMENTO?

A questão do pagamento, que costuma dividir opiniões, também foi unanimidade nesta mesa redonda. Conforme explicou Alexandre, o álbum é um produto posterior à cobertura fotográfica, tradução do olhar de um profissional. “Depois que a noiva escolhe as fotos – e eu também dou um prazo, como a Marina – o álbum é pago depois, na hora da entrega do produto. Eu não consigo vender um produto que vou entregar daqui a dois ou três meses. Por isso ela só paga na hora que receber. Não existe forma correta nem errada, é só a minha forma de trabalhar”, explicou. “Exatamente. É até bom para os noivos planejarem melhor seus gastos. Assim eles dão um tempinho para investir e quando investem, podem investir bem”, completou Marina.

HIGHLIGHTS DO DEBATE

  • Álbum de casamento: hoje a gente tem muitas opções, as empresas de fora chegaram muito forte e te dão garantia vitalícia para o produto – Giovani Garcia
  • Drone: ele não tem o meu olhar, não tem ninguém comandando a perspectiva e o olhar artístico daquela foto – Victor Miguel
  • A fotografia tem muito de tendências e modas. Moda é passageira, como o trash the dress, que não vingou no Brasil. Tendência é o ensaio pré-wedding, que chegou para ficar. Eu posso falar meia hora sobre a importância dele e uma delas é o grau de conexão que você cria com os noivos –
  • Quando você não tem o pré-wedding, o making of é o momento que você tem para se conectar com a noiva e trocar energia com ela – Giovani Garcia

  • Acho muito legal quando as noivas mandam referências dos frames que elas curtem e se inspiram – Laurence Aszmann

 Gostou do que viu por aqui? Confira as outras matérias de nossa cobertura do IC Week RJ!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Nascida em Minas, criada em Recife e apaixonada pelo Rio. Viajar o mundo é seu sonho, o que torna luas de mel e destination weddings um caso de amor à parte. Escolheu o jornalismo pela inquietante vontade de transformar em palavras histórias que mereçam ser contadas.