Rodrigo Ono: O produtor é o maestro do evento

Por  |  0 Comentários


Texto: Júlia Cerqueira

Rodrigo Ono é um dos poucos que sabe como montar uma festa inesquecível. A mais de duas décadas no mercado, ele tem a experiência e os parceiros certos para fazer uma festa memorável tanto para os noivos quanto para os convidados.

Formado em arquitetura, Rodrigo Ono é um dos produtores de casamento mais conceituados de Curitiba. Junto com toda a equipe da RYO EVENTOS, ele oferece um serviço diferenciado, desde todo o planejamento até o serviço de cerimonial, além de dedicação e exclusividade na data do evento. Tudo para dar o melhor serviço possível aos noivos, familiares e convidados. Para tudo sair perfeito no dia do casamento e deixar a noiva brilhar, ele garante que é preciso um bom produtor cercado de bons profissionais, tudo para deixar a noiva apenas curtir o dia, da maquiagem até o final da festa. “O produtor é o maestro do evento”, garante.

Rodrigo foi uma presença fantástica da #livedonied. Em uma hora de conversa, ele falou sobre o início da carreira, a importância das boas parcerias profissionais, sobre o famoso atraso da noiva e revelou que mesmo com muito tempo realizando casamentos ele ainda se emociona na hora do “sim”. Confira a conversa com esse profissional de mão cheia e saiba como ter uma festa de casamento que será lembrada por todos.

Confira um trechinho de como foi esse bate-papo!


Leia mais

+ Damas de honra: tradições e curiosidades

bg-divisoria

+ Os mais badalados estilistas de Brasília

bg-divisoria

+ O que escrever no convite de casamento?

 


IC: Produtor significa assessor mais decorador? Existem em vários lugares do país, cada lugar chama de um jeito, aquela pessoa que organiza como um todo. Em Curitiba, o Produtor é o que organiza tudo e decora, explica mais:

RO: A gente vê que é encarado de maneiras diferentes em cada estado, então aqui para o Sul, o produtor organiza o casamento como um todo. Ele organiza a parte dos profissionais e principalmente na parte do projeto da festa, o que viria a ser a parte toda da decoração. Poder criar uma projeto exclusivo para o evento, criar o layout da festa em questão da disposição, aí entram os parceiros, nessa parte de logística, a parte toda de decoração, flores, mobiliário, paisagismo, parte de iluminação. A noiva sabe o que ela quer, o profissional que ela quer contratar, ela tem algumas ideias na cabeça, mas ela não consegue visualizar como tudo isso vai ser harmonizar no dia. Elas vem com várias ideias, prints de festa, de bolo, de flores, mas elas não conseguem visualizar isso como um todo. Ai que entra o produtor. É o maestro do evento.

O que eu vejo como grande diferença em Curitiba, muitos produtores não fazem a parte de cerimonial e essa é uma diferença nossa. Além de trabalhar toda a parte da organização do casamento, toda a parte do projeto, da assessoria, de contratar todos os profissionais, eu vou estar no dia no cerimonial do casamento. Como eu me envolvi no projeto durante um ano e meio, pra mim é muito mais fácil essa parte de cerimonial no dia porque já conheço o perfil da noiva e a expectativa para a festa.

IC: Além de ajudar no teu trabalho é teu momento de glória

RO: A realização deles, o sorriso. Muitas noivas até comentam comigo que quando eu vou levar o buquê delas a tarde, a tranquilidade que a gente passa pra elas de poder saber que eu pessoalmente estou ali, que não vou passar a bola pra frente pra outra pessoa que vai terminar o serviço. A gente fala que pega o serviço do começo ao fim: da contratação até o final do evento.

IC: O que a noiva tem que levar em conta na hora de contratar um produtor?

RO: O principal papel é ter responsabilidade. Não adianta simplesmente fazer o que gosta, ajuda muito você gostar da área e ter conhecimento, mas não adianta ter a teoria e não ter a prática e, às vezes, na prática, não conseguir transmitir uma calmaria pro cliente. Você passar nervosismo, uma insegurança, não ter determinação. Eu passo que eu vou ser o anfitrião no dia, que além da empatia, eles tem que ter muita confiança. Por mais que a gente esteja lidando com dinheiro, estamos lidando com sonho e sonho não tem volta. Então, a partir do momento que não deu certo, não tem como falar que amanhã a gente refaz. O importante é que o Cerimonial não tem o papel de mandar nos noivos, às vezes os noivos vem com esse medo, de que o cerimonial obrigue os noivos a fazer algo que eles não gostam. Falo para os noivos que o importante é eles se sentirem confiantes e confortáveis na festa deles. A festa tem a cara deles e não a minha, para que eles possam sentir a energia que a festa foi organizada para eles

IC: Comprometimento é muito importante, assim como estudo, preparação e prática. Mas o comprometimento é muito sério, tem data e hora para acontecer. Não tem segunda chance. Como começa a preparação do sonho do casamento?

RO: Primeiro passo é ter uma data. Muitas noivas acabam mudando a data para poder se adequar a nossa agenda. A gente sempre pergunta qual é a característica do casamento e o que ela imagina para a festa. Isso vai determinar o espaço. A partir do momento que temos uma pré-data, é o primeiro ponto. Eu bato muito nessa tecla da data, porque é a questão da exclusividade, trabalhar com um único evento no dia. Não adianta eu querer vender o serviço para a noiva e passar para uma outra equipe. O importante é trabalhar com a questão da data, da exclusividade, pra poder no dia estar lá pessoalmente e poder trazer essa tranquilidade para elas.

IC: Como é que você trata a questão do casamento para poder começar as contratações dos serviços? Qual é o momento certo e definir o orçamento da festa?

RO: É uma pergunta que muitas noivas fazem: “Quanto vou gastar para fazer a minha festa?” São dois pontos: onde você imagina fazer a sua festa e para quantos convidados. Com isso consigo fazer uma prévia de orçamento. Claro, pode ser um pouco mais ou um pouco menos, vai depender das escolhas. Mas quando temos ideia da gastronomia e do espaço, isso ajuda muito a ter uma prévia financeira. Eu nunca pergunto na primeira reunião quanto o cliente quer gastar na festa. Pra mim é indiferente. Como não trabalhamos com comissão dos serviços, não interessa se o cliente vai gastar cem mil ou um milhão de reais no casamento. O importante é que eles tenham os profissionais certos de acordo com a procura e que ela tenha um resultado satisfatório. Não adianta ter profissionais baratos e no dia não ter o resultado que eles esperam. O importante é que fique dentro da expectativa e dentro do orçamento. Tem noivas que dão preferência para o fotógrafo, tem outras que dão preferência para o DJ, ou gasta muito na gastronomia. E tem noivas que privilegiam tudo. Cada uma tem as suas escolhas.O mais importante é trabalhar o orçamento para ficar dentro da expectativa dela.

IC: Você faz um único evento por dia ou eventos simultâneos?

RO: Quando fechamos com a noiva, batemos na tecla da data para ter a exclusividade de ter um evento por dia. Caso os noivos queiram uma data já comprometida é esclarecido que oferecemos toda o projeto do casamento, mas eu não estarei presente na equipe do cerimonial.

IC: O que você procura no seu fornecedor para que ele seja parceiro da sua empresa, das suas festas?

RO: Não temos fornecedor exclusivo. Não vou obrigar nenhum noivo a contratar nenhuma empresa. Sou bem sincero. Temos um leque de fornecedores de qualquer ítem para poder estar pesquisando. O mais importante, que os noivos acabam deixando conosco muitas vezes, é a confiança naquele fornecedor. Bons fornecedores nos trazem boa mão de obra e equipes grandes. Já fizemos milagres de montar uma festa em curtíssimo tempo. E aí entram bom parceiros que nos ajudam. Conversando e fazendo um cronograma de montagem, todos sabem o momento de chegar e o seu papel lá dentro.

IC: E quanto a montagem do casamento, ela é feita no próprio dia. É isso?

RO: A montagem não conseguimos antecipar porque os espaços cobram do cliente o valor de locação de dias anteriores. O cliente não quer pagar a locação, então só temos o dia da locação para fazer a montagem.

IC: Mas você planeja antes a montagem. Como você gerencia isso para a noiva?

RO: De acordo com o tamanho do projeto eu consigo determinar se será preciso mais dias de montagem. Normalmente em casamentos realizados em fazendas, residências, praia, por exemplo, precisamos montar toda a parte de estrutura. Aí geralmente leva mais dias para montar. Mas nesse caso o pessoal já está programado para ter esse tempo. Quando é em um espaço locado, específico para o casamento, demonstramos para o cliente o que é possível fazer dentro do projeto naquele dia ou se precisaremos de mais dias para poder montar.

IC: Durante a preparação você se envolve muito com a noiva e com as famílias. Você ainda se emociona nos casamentos?

RO: Eu acabo conhecendo os pais e grande parte da família. No dia não tem como não se emocionar. Quando eu não me emocionar mais vai perder a graça. O envolvimento é muito grande com todos, acabamos conhecendo o perfil deles. Eu conheço até as brigas de família. O importante é tratar isso de maneira discreta, que eles não se sintam constrangidos e que os noivos se sintam confortáveis de que não haverá briga no dia do casamento. Todo o envolvimento com a família ajuda na tranquilidade da noiva no dia do casamento. Aquela última olhada antes da porta se abrir é um momento muito gostoso.

IC: Existe a lenda de que a noiva sempre atrasa. É verdade isso?

RO: Não. Aqui em Curitiba pelo menos não. Agora existe multa nas igrejas, então a noiva realmente não pode atrasar mais do que 10 min, se não o padre pode não realizar o casamento ou acaba cortando o tempo de cerimônia e prejudica a própria noiva. E para não atrasar temos a ajuda e parceria de bons profissionais. Eu não estarei a tarde inteira com a noiva, mas estarei com contato com a maquiadora para saber se tudo está certo, se está no horário, conversar com o fotógrafo, tudo isso dá tranquilidade para poder seguir o fluxo do cerimonial e saber que tudo está no horário.

IC: Isso tudo é muito parecido com aqueles filmes, que o FBI fica com os rádios monitorando tudo…

RO: É mais ou menos isso, lidamos com minutos e tudo tem que sair perfeito. Se não vira uma bola de neve e todos atrasam, o convidado se irrita, o jantar atrasa, a pista abre mais tarde e o convidado estará cansado e não há o que segure co convidado na festa. Por isso falamos para as noivas não estragar a própria festa. Se ela acha que pode acontecer algum atraso, eu peço para dizer que o casamento é mais cedo. Isso dará mais tranquilidade para a noiva e para todos os profissionais que estão trabalhando no casamento.

IC: O número de convidados é sempre algo polêmico, que sempre aumenta com o passar do tempo. Como você conduz com a noiva essa questão de montar a lista de convidados?

RO: Eu falo para ela fazer uma lista com todo mundo. Já pede para mãe, pai, sogra, para todos fazer a lista inicial para o máximo número de convidados. Não cortar ninguém, não é momento fazer cortes. Coloca todo mundo nessa lista. Vamos ter um primeiro susto, geralmente dá uma lista acima do esperado. Com isso conseguimos ajudar a saber se ela realmente consegue convidar todas as pessoas ou qual o grau de importância dessas pessoas para fazer os ajustes para se adequar ao orçamento e ao espaço. Se não puder cortar ninguém, a dia é procurar um lugar mais em conta, mais favorável para que possamos ter um número maior de convidados. Não adianta convidar muita gente e fazer tudo de maneira inferior. A qualidade do evento é muito importante. Não necessariamente caras, mas de bom gosto e principalmente pensar no convidado. A festa é para o convidado.

IC: Em Curitiba ainda tem aquela tradição de primeiro servir o jantar e depois liberar a pista. A gastronomia é muito valorizada valorizada. Como é a degustação para escolher o buffet?

RO: Aqui fazemos a escolha de um cardápio prévio, para saber qual o serviço que será oferecido no casamento e ter uma noção de valor. Em torno de quatro, cinco meses antes do casamento é marcada a degustação, onde o buffet apresenta o que combina com cada prato para fazer toda a harmonização do cardápio. Alguns anos após o casamento o convidado não vai lembrar se comeu frango ou peixe, vai lembrar se foi bem atendido e se a comida era saborosa. Isso ajuda a ter uma boa memória afetiva do casamento.

IC: Como é o bar junto à gastronomia?

RO: O buffet vai servir as bebidas tradicionais do casamento, espumante, whisky e vinho. Se os noivos quiserem drinks diferenciados aí entram as empresas de bar, que são uma atração da festa. A bebida e a música faz o convidado curtir a festa a noite inteira. Os noivos decidem se os bares funcionam a noite inteira, desde o começo da festa ou se abre após serem servidas as bebidas clássicas. Com a abertura da pista, abre-se o bar de pista. Para o jovem, que está na pista, é a melhor coisa esticar o braço e a bebida estar do lado dele. Os bares ajudam muito a segurar o convidado na pista e a animar a festa.

IC: Hoje em dia são dois bons aliados, o bar e o DJ.

RO: Exatamente. Aí entra o papel do produtor em pensar na organização desse bar. Não adianta ter um bom bar e um bom DJ mas colocar o bar do outro lado da festa. O convidado vai sair da festa para pegar uma bebida e desanimar a pista. A ideia é que eles estejam próximos para manter os convidados a noite toda ali.

Olha, a gente tentou botar só um trechinho, mas a conversa foi tudo! E se você quer conferir na íntegra a #livedonied, clica aqui embaixo!

 

Ver essa foto no Instagram

 

Rodrigo da dicas de como montar a festa inesquecivel! #juntossomosinesqueciveis #inesquecivelcasamento #clubeic #fornecedorinesquecivel

Uma publicação compartilhada por Inesquecível Casamento (@inesquecivelcasamento) em

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr