Carreira, noivas e casamentos por Vic Meirelles

Por  |  0 Comentários


Júlia CerqueiraO dono dos arranjos mais lindos do Brasil conta tudo sobre sua trajetória profissional, suas preferências e não podia faltar a sua ótima relação com as noivas.Quem está envolvido no ramo dos casamentos com toda a certeza conhece o artista Vic Meirelles, seja pelo dom com as flores ou pelo bom gosto em decorar.Em 1986, Vic entrou na faculdade de Arquitetura na Belas Artes, em São Paulo, mas desde o começo sabia que não era nesse mercado que iria brilhar. Logo começou a trabalhar no escritório de um amigo que lhe mostrou o livro de Ronaldo Maia sobre decoração com flores e ficou fascinado! Pegava galhos e flores na rua e foi dando seus primeiros passos em uma carreira brilhante!Em 1989, formado, foi morar na Inglaterra, e aprendeu mais sobre como fazer arranjos com flores, tanto que chegou a prestar serviços para a Embaixada Brasileira em Londres. Em 1991, voltou ao Brasil e criou a empresa que carrega seu nome. Sorte a nossa, né?E, como quem é bom sempre tem espaço garantido, aa #livedonied não seria diferente. Vic foi o convidado da vez e a conversa rendeu demais! Confira a entrevista!Falando de início de carreira, como você acha que foi o “pulo” para ser conhecido não só pela pessoa física, mas pela marca que carrega seu nome?VM: Acho que foi aos pouquinhos. Foi construindo, foi trabalhando e foi caprichando. Eu acho que o grande negócio é você caprichar. (…) Meu negócio sempre foi caprichar, deixar a cliente sempre pensando: “nossa, ele fez muito mais que combinou”.Além do bom gosto, você é um cara extremamente antenado, observador. Você busca sempre se superar, né?VM: Nada para mim está bom tudo tem que ser feito, refeito. Eu vou me inspirando desde um posto de gasolina. Eu adoro posto de gasolina, desde onde vende bichinho, biscoito, eu vou me inspirando nessas coisas, vem de dentro.Você acha que trabalhos seus de dez anos atrás ainda cabem hoje em dia?VM: Esses dias eu estava olhando um portfólio antigo, antes de eu ir pra Inglaterra… como eu era moderno. Eu pegava papel, pintava, amassava e virava buque. (…) Eram as marcas nos anos 1990. E é isso. Como eu já fazia coisa moderna, mais moderna do que hoje. Acho que é alma.Agora, falando sobre sua relação com a noiva, ela tem um sonho, os noivos têm um sonho, então tem que pegar a essência dela para o trabalho, é assim?VM: Exatamente, você tem que entrar e fazer o negócio ter a cara do casal. Normalmente só vem a noiva e a mãe, adoro quando vem o noivo e a noiva. Quando a reunião tem o casal, eu acho bom, assim você conhece os dois, começa a interagir e fazer uma coisa bacana.E existe algum tipo de cor para uma festa de casamento que você não aconselha?VM: Eu aconselho tudo. Quer casar de rosa, vai de rosa; quer casar de branco, vai de branco; quer casar de pink, vai de pink. Você é livre, você faz com o que você gosta. Ainda mais hoje em dia, vai ser tudo paz e amor, tudo perfeito.E nos eventos têm alguma flor que você não gosta de trabalhar?VM: Eu gosto de trabalhar com todas. É engraçado como antigamente eu falava assim: “nunca vou misturar uma Estrelícia com uma Gérbera e hoje a coisa que eu mais quero é misturar Estrelícia com Gérbera.Hoje eu misturo tudo. Eu acho que hoje está na moda você misturar, você fazer o arranjo sem medo, sem preconceito, sem regra.Além da sua equipe tem que ter fornecedores, como que é essa questão da relação com os fornecedores, como você faz a montagem do seu time?VM: Eu primeiro vejo a minha cliente. Minha cliente é uma menina clássica? (…) Aí eu já penso numa empresa, se ela está no interior, ou está em Ribeirão Preto, ou ela está em BH. Eu gosto muito de usar o lugar onde eu estou. Se eu estou em BH, eu quero trabalhar com pessoas de BH, profissionais de Belo Horizonte. Eu sempre fui muito de unir as pessoas, todo mundo junto, sabe?Como é a questão com os assessores, o relacionamento, o quanto é importante essa dobradinha de trabalho entre você e esses profissionais?VM: Fazer o casamento, fazer o aniversário, celebrar, tem que ter um time. Então o time tem que funcionar, ou eu vou indicar a assessora ou a assessora vai me indicar. Isso é um time, a gente tem que se unir e todo mundo tem que trabalhar com vontade. Todo mundo tem que estar conectado.Como o Vic faz o orçamento? Tem o valor em cada item ou é o valor todo do projeto?VM: Eu detesto quando começa ficar colocando valor em item. Eu falo para o cliente que quando se põe valor em item você vai ver o chato. Eu gosto de fechar o pacote e mandar bala. Agora, arranjo do hall de entrada R$ 200; arranjo do banheiro R$ 50, arranjo do buffet R$ 300. É um saco! Eu gosto de fazer um pacote.E você está gostando da conversa com o Vic? Então, esses foram só alguns trechinhos do bate-papo com ele pra deixar um gostinho. Ele ainda contou histórias divertidíssimas e falou sobre alguns sonhos dele. O link da live está aqui embaixo! Divirta-se! http://rusbankinfo.ru Срочные займы онлайн без справок и поручителей

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr