Vestido de madrinha: 18 dicas para não errar

Por  |  0 Comentários


Má notícia para quem pensava que não: vestido de madrinha entra no checklist de afazeres da noiva também. Claro que o maior trabalho é delas, portanto, essa é para compartilhar!

Elas são hiper especiais e vão estar do seu ladinho quando disser sim. Ou seja: a última coisa que você quer na vida é que elas estejam um tanto quanto out do casamento, certo? Conversamos com as estilistas Camila Faria, da Vivaz, e Juliana Bochese para reunir dicas obrigatórias de serem divididas sobre vestido de madrinha + galeria de fotos inspiração.

O que pode e o que não pode? Como escolher o modelo ideal? O que é pecado? Já pode salvar a matéria nos favoritos para não perder nunca mais!

vestido-para-madrinha-casamento-dicas-para-nao-errar-foto-gustavo-roscoe-dank-fotografia

VOCÊ ACEITA SER MINHA MADRINHA?

Dando um help na escolha do modelo: “É preciso considerar o local e horário do casamento, principalmente. Essas são as variáveis fundamentais para que as madrinhas consigam escolher um modelo que caiba na festa” (Camila Faria)

A noiva quer um padrão, e agora? “Este é um assunto, muitas vezes, delicado. Percebo aqui no atelier um enorme constrangimento por parte das noivas de estabelecer um padrão, seja de cor ou comprimento, para as suas madrinhas. Eu, particularmente, não vejo nenhum problema, desde que a escolha da noiva seja viável e que ela o faça com bastante antecedência” (Juliana Bochese)

De olho no timing: “Quanto antes a noiva definir o padrão dos vestidos das madrinhas, melhor. Provavelmente, ao fazer o convite, a noiva ainda não terá em sua cabeça todos os detalhes da festa. A única coisa que não vale é comunicar muito próximo a data – aí é de uma deselegância irreparável” (Juliana Bochese)

Viabilizando sonhos coloridos: “Ao invés de optar por uma cor, a noiva pode escolher uma gama de cores, ou seja, sub-tons. Assim, ela abre um leque de possibilidades e consegue uma harmonia entre os vestidos” (Juliana Bochese)

SOBRE CORES E COMPRIMENTOS

Combina esse com aquele: “Normalmente, os vestidos das madrinhas não têm a ver a com decoração do casamento. Vai muito mais pelo local e horário. Existem noivas que combinam decoração e vestido das madrinhas, mas não é regra. É uma decisão pessoal da noiva” (Camila Faria)

Não ir de longo é pecado? “Não é toda madrinha que precisa usar vestido longo – isso é uma opção da noiva. A noiva pode exigir, na hora de entregar o convite, o uso do longo. Caso ela não ligue, pode ser midi, curto ou longo, sempre de acordo com o tom da festa” (Camila Faria)

Estampa na medida certa: “Vestidos estampados combinam com casamentos, especialmente os de praia e campo, mas sem exageros. Devemos esquecer as estampas com desenhos muito grandes e coloridos por serem muito marcantes e acabarem destoando do contexto geral” (Juliana Bochese)

160330_VIVAZ_DANK_12735

Cuidado para não parecer noiva! “As únicas cores que as madrinhas devem fugir é do branco e off white, por razões óbvias. No mais, se a noiva não fizer nenhuma restrição, acredito que tudo está liberado” (Juliana Bochese)

Vish, tem cor repetida no altar! “Não tem problema. Não é feio, não é falta de educação e ninguém precisa ficar constrangida. Isso é mito!” (Camila Faria)

O polêmico preto: “Não vejo nenhum problema. O preto ficou muito associado ao luto e considero uma bobagem fazer essa analogia, acho que acaba sendo um preconceito. Vamos combinar: um pretinho é sempre chique e prático, não é?” (Juliana Bochese)

Bom senso como palavra de ordem: “Se o casamento for na praia, por exemplo, e a madrinha for de curto, tem que tomar cuidado com o tamanho do vestido pela questão do padre” (Camila Faria)

Nude: sim ou não? “Adoro! Só precisamos levar em consideração os milhares de tons de nude que existem e ter a certeza de que o tom escolhido combina com sua pele sem te apagar. Prefiro os nudes que têm um tom rosado suave do que os nudes amarelados” (Juliana Bochese)


Leia mais

+ Dicas para escolher padrinhos e madrinhas

bg-divisoria

+ Tá na moda: madrinhas com vestidos dourados

bg-divisoria

+ Vestido de verão para madrinhas de casamento

 


E OS ACESSÓRIOS?

Sapato x bolsa: “Sapato precisa combinar com bolsa, caso ela exista, mas combinar não significa ser da mesma cor. Alguma coisa nos dois tem que combinar: ou tons próximos, ou o mesmo estilo. Não dá para estabelecer uma regra absoluta, mas definitivamente precisa haver uma harmonia” (Juliana Bochese)

Carteira não-obrigatória: “A madrinha só precisa entrar com carteira se quiser. Mas tem que ter harmonia com o vestido, se ela quiser usar. Não existe uma cor de carteira certa, vai depender do tom do vestido. As que mais dão certo com tudo são prata velha e ouro velho, as mais coringas” (Camila Faria)

Colar & brinco & anel & pulseira: “Eu amo um “ÃO” no acessório, mas muito cuidado nessa hora. Não dá para misturar colar com brinco e anel sem ter um critério. Tem que ter uma harmonia e tem que saber segurar, ter estilo para usar. Na dúvida, opte por um brincão e mais nada” (Juliana Bochese)

vestido-de-madrinha-de-casamento

DICAS FUNDAMENTAIS

A regra é o diálogo: “Converse com a noiva. Pergunte para ela o que ela acha da sua escolha – preto, curto, longo, tons fortes, tons claros. O dia é dela!” (Camila Faria)

Está proibido… “Os super decotes e os tules transparentes com bordados ‘estratégicos’. É feio e deselegante, especialmente para o altar!” (Juliana Bochese)

Está em alta: “Muitas noivas estão pedindo que as madrinhas vão de longo em tons pastel, para ficar harmonioso e condizer com a decoração, muitas vezes. Isso é uma tendência dos últimos dois anos” (Camila Faria)

Curtiu? No site da IC tem várias outras dicas para compartilhar com as madrinhas de casamento. Manda o link pra elas!

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Uma combinação de sonhadora incansável e romântica incurável. Encontrou nas palavras sua forma de fazer do mundo um lugar mais colorido. Admite habilidade especial para enxergar magia, leveza e doçura em cada segundo da aventura que é viver. E que a perdoem as pessoas pés no chão, mas o amor está no ar – e também nos casamentos no campo: ou alguém consegue pensar em algo mais bonito?