Origem da marcha nupcial e sua versão remixada

Por  |  0 Comentários


A trilha sonora mais emblemática e tradicional dos casamentos ganhou versão remixada pelas mãos da DJ Scarlet e tem feito a cabeça das noivas cariocas. Calma! Não é para entrar na cerimônia “quebrando tudo” e, sim, para jogar o buquê em clima de alto astral, enviando boas energias às amigas solteiras. Outra opção também para a versão “casamento louco” (sim, é esse o nome do áudio que chegou aqui na redação com a versão remix da marcha nupcial) é para a entrada dos noivos no salão.

A versão autoral, que coloca no mesmo pacote a ópera de Mendelssohn e o balanço do funk carioca, é contagiante! Gostamos tanto que a elegemos também como trilha sonora do programa que estréia em breve em nosso canal no YouTube “Já casei #ficaadica”, onde noivas que já subiram ao altar entram em cena para constar tudo dos bastidores e dar dicas para quem ainda está nos preparativos do casamento.

Escute a versão da marcha nupcial remix by DJ Scarlet:

Para a noiva Fernanda Alvim, que casou-se a menos de um mês, a versão é perfeita para a hora do buquê, já que a proposta é versátil e surpreende quando o funk começa.

“A música começa toda formal, com a emoção que carrega e faz também uma analogia ao sonho de todo mulher de se casar – que combina também com a brincadeira de jogar o buquê. Então, a formalidade da música logo sai de cena e o agito do remix trás à tona a alegria do momento. Eu amei! E acho que tem tudo a ver com o astral do casamento e do momento”, completa. 👯🎧

“Não temos palavras pra agradecer, foi demais, foi top, foi fod*! O trabalho dela é impecável, sua preocupação em saber se estava agradando e fazendo nossa cerimônia ser ainda mais linda, nossa pista bombar do início ao fim… não tem preço.! O que foi o momento do buquê? Até o Rafa, meu noivo, não se segurou e foi até o chão para jogar a caixa de Whisky! TOP! Foi muito mais do que um grande sonho realizado, foi a MELHOR NOITE das nossas vidas!” ❤👊🏻🔝 Noiva Nathalia Darze

QUAL A ORIGEM DA MARCHA NUPCIAL?

A história é intrigante, mas vale o registro. Provavelmente muitas noivas não imaginam, mas a marcha nupcial, do músico Richard Wagner foi composta para ser a trilha sonora de uma peça belíssima – e igualmente trágica. Segundo o site especializado Música Word, o trecho é de uma de suas óperas, a “Lohengrin”. Nesta encenação musical, Lohengrin é um homem que se casa com a heroína Elsa. A cena do casamento contém somente duas músicas. A música da Marcha Nupcial é tocada no final onde Lohengrin prontamente mata cinco convidados e foge deixando Elsa que, de tanta tristeza, morre. Inclusive por isso, Wagner achava engraçado que sua peça fosse escolhida como tema para casamentos na vida real.

Espera! Temos também uma outra versão, com o contexto mais agradável, por sinal. É que a marcha nupcial comumente usada como trilha sonora para a saída da noiva, tem uma história parecida com a de Elsa, na peça de Lohengrin. O músico que a compôs, Mendelssohn, adoeceu e morreu em profunda tristeza após receber a recusa da cantora sueca Jenny Lind para fugir com ele aos EUA, pois sua amada já era casada e não desatou seu matrimônio. Dessa forma, a marcha nupcial de Mendelssohn, encomendada em 1842 pelo então Rei da Prússia Frederico Guilherme IV,  foi escrita dentro de um contexto para uma peça teatral de Shakespeare, com o nome de “SONHO DE UMA NOITE DE VERÃO”. Lá, a marcha nupcial aparece entre outros 13 trechos musicais em forma de danças formando uma suíte musical.

A peça gira em torno da seguinte história: o rei das fadas Oberon vivia em pé de guerra com a rainha Titânia. Para se vingar, Oberon transforma o Duque Bottom em um homem com orelhas de burro (asno). A rainha, enfeitiçada pela poção mágica de Oberon na intenção de ridicularizá-la perante seu reino, se apaixona por Bottom e os dois fogem para a floresta para se casarem. Quando a poção perde seu efeito, Bottom se transforma novamente em homem durante o casamento. A marcha nupcial foi escrita para finalizar esta união entre a Rainha e Bottom orelhas de asno e é tocada no final, não no início como fazem nos casamentos tradicionais.

E POR QUE A MARCHA NUPCIAL VIROU TRADIÇÃO NOS CASAMENTOS?

Agora que já sabe a origem da marcha nupcial deve estar se perguntando: o que tem a ver tocar em casamento então? Explicamos: é que em 1858, a princesa britânica Victoria se casou com o príncipe da Prússia Frederick William. Esse foi um dos casamentos mais emblemáticos da história, pois ela casou por amor e compartilhou com o mundo uma nova proposta – já que até então, a sucessão ao trono era imposta pelo Rei ou Rainha.

Fazendo história, a princesa foi também quem escolheu o repertório musical colocando a Marcha Nupcial de Wagner para a entrada e a Marcha Nupcial de Mendelssohn para a saída. Victoria não só inovou no repertório musical como no visual. Foi a primeira noiva a usar um vertido branco já que, até então, usava-se somente vermelho ou dourado. Assim, devido a tais fatos, as noivas que gostariam de vivenciar um dia de princesa, casando por amor e fazendo diferente, passaram a se inspirar nela e escolhiam o mesmo repertório musical, que perdura até hoje.

Se quiser ter novas ideias para a entrada da noiva na cerimônia, veja a indicação de 4 músicas sugeridas por orquestras.

 

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Jornalista mineira, dona de uma coleção de sonhos e apaixonada pelo o que é leve. Nunca subiu ao altar, mas nutre a certeza de chegar lá com seu amor da vida. Adora combinar palavras para contar histórias e assume ter uma queda por casamentos ao ar livre.