Casamento ao ar livre: quando a estruturação começa do zero

Por  |  0 Comentários


Profissionais com nome de peso no universo wedding nos contam detalhes sobre o planejamento da estrutura de um casamento ao ar livre. Veja as dicas

Fazer uma comemoração intimista, ao ar livre ou no jardim da própria residência faz parte do sonho de muitas noivas. Porém, quando a ideia é fazer um home wedding ou até mesmo casar em locais que não disponibilizam uma estrutura fechada – como a de um salão social, por exemplo – existem alguns cuidados indispensáveis na logística e estruturação da cerimônia e recepção. Lela Eventos, Tissi Valente, Lonarte e a Two Lights nos deixaram por dentro dos detalhes que devem ser considerados quando a estruturação é planejada do zero.

Home Wedding | Assessoria Lela Eventos | Toldos Lonarte | Foto V Rebel | Iluminação Two Lights

LOGÍSTICA

A visão logística é uma das principais questões. Para tudo funcionar bem, além de acertar na escolha dos profissionais, o projeto decorativo, o planejamento de som e iluminação e o cerimonial precisam estar ainda mais alinhados!

  • Água e Toilette

Lela Eventos ainda indica a contratação de banheiros portáteis, caso o local não disponibilize a estrutura e, também, de um caminhão pipa para suportar a frequência do uso de descargas e enxágue de louças do bufê.

  • Descarregamento de material

A Lonarte enfatiza a questão da logística para chegada do material. Dependendo da dificuldade de acesso ao local, o descarregamento pode ser feito em dois dias.

  • Cobertura e temperatura do ambiente

Para a assessora Lela Eventos uma das principais preocupações desse tipo de projeto é cobertura do espaço. Além do tamanho do toldo, o tipo e o material podem variar. Nessa questão, o clima tem grande influência: quando a probabilidade de chuva é alta, o toldo pode apresentar cobertura lateral.

Home Wedding | Cerimonial Lela Eventos | Toldos Lonarte | Iluminação Two Lights | Foto V Rebel

A decoradora Tissi Valente completa e afirma que horário do casamento também intervém. Se ele for realizado de dia, deve ser considerado se o material que forra o toldo – geralmente plástico – vai deixar o espaço interno quente. Se for o caso, a colocação de ar-condicionado deve ser adicionada à logística.

  • Peso x Sustentação

Outra questão apontada pela expert em decoração é a capacidade de sustentação da estrutura. O peso de equipamentos de iluminação, globos espelhados e lustres é outro fator que deve ser levado em conta.

 

INFRAESTRUTURA E MATERIAIS

Diversas estruturas podem ser planejadas e montadas para o grande dia. A Lonarte é especialista na cenografia e conta com amplo repertório de suportes e materiais.

  • Toldos–  Estrutura em ferro e madeira, forrado em tecido e coberto com plástico branco ou transparente. O design fica a critério do projeto do decorador.
  • Pista de dança– Estrutura em madeira para colocação de plotter, feita em fórmica com desenho e cores a definir ou ainda em vidro sobre piscina.
  • Colocação e fechamentos– Fechamentos com cortinas de tecido, plástico transparente ou courvim branco e colocação de guarda-corpo (é uma proteção para áreas de risco, por exemplo, ao redor da piscina).
  • Montagem– Palcos com estrutura em madeira, forrado em carpete de cor a definir, chupás geralmente em voil de cor a definir e gazebos com estrutura em ferro (similar à chupá, porém redonda e com cinco metros de diâmetro).
  • Praticável– Estrutura em madeira forrada em carpete de cor a definir, geralmente utilizado como degrau ou pequenos palcos com variação de altura.
  • Piso– Estrutura em madeira forrada em carpete de cor a definir para locais nivelados e desnivelados.
  • Forração– Forrações de palco, piso ou diretamente no chão em carpete de cor a definir.

Todos, forrações e fechamento por Lonarte Foto Juliana Pessoa

 SOM E ILUMINAÇÃO

 A Two Lights indicou as principais questões referentes ao som e iluminação. Uma visita técnica, junto com o cerimonial e a decoradora, é feita para alinhar todas as minúcias do casamento. Nesse momento, são estudados os melhores ângulos para equipamentos e instrumentos e o posicionamento do gerador e dos cabos (levanto sempre em conta o tamanho dos cabos).  Murilo, representante da empresa, explica que a quantidade de convidados influencia no tipo de equipamento. É importante que o som atinja o ambiente de maneira eficaz e confortável.

Na visita técnica, o espaço é analisado e o plano de iluminação é feito pensando em destacar as melhores características do local.  A iluminação recebe sempre um toque artístico: perspectiva de luz, refletores e a aplicação de luz âmbar são algumas das técnicas usadas para ressaltar o que for necessário.

Iluminação Two Lights Foto Marina Lomar Fotografia

TEMPO

Planejar com antecedência é um dos segredos do sucesso do evento. Para criar o perfil do décor, Tissi Valente recomenda 1 ano de antecedência à data do casamento. Para visitar o local e resolver as questões de montagem e estrutura, a decoradora indica o tempo de 6 meses. Para isso, são necessárias de 2 a 4 visitas técnicas, dependendo da dificuldade de acesso ao local. Lela Eventos e Two Lights assinam embaixo, sugerindo também o tempo mínimo de 6 meses.


CRÉDITOS

Fotos 1 e 2. V Rebel  | Foto 3. Rodrigo Sack | Foto 4. Divulgação | Foto 5. Filico | Foto 6. Juliana Pessoa | Foto 7 e 8. Georgeana Godinho Fotografia | Foto 9. | Foto 10.  Marina Lomar Fotografia

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Jornalista, detalhista e apaixonada pelo mundo dos casamentos. A queda pelo estilo rústico-chique é inegável. Adora compartilhar boas ideias e inspirações. Festeira de coração, a carioca enxerga a natureza como o melhor cenário para qualquer evento.