Crianças no casamento: sim ou não?

Por  |  0 Comentários


Aproveitamos o Dia das Crianças para trazer à tona um assunto polêmico no mundo wedding. Festa é lugar para os pequenos?

Embora não pareça, a resposta para essa pergunta é bastante simples: depende. Sob a ótica dos noivos, pode ser difícil e até mesmo indelicado evitar a presença de algumas crianças no evento – principalmente quando nos referimos às da família. Por outro lado, os convidados devem ter bom senso na hora de interpretar o convite e decidir se os filhos são próximos o suficiente dos anfitriões para serem confirmados como seus plus one.

Conforme pontua Flavia Cavaliere em seu livro Elegância na festa, casamentos não costumam oferecer atrativos para os pequenos. “A música não é para eles, a comida também não. Não bebem espumante nem se divertem com o papo que rola. […] Lhes sobra correr em volta da mesa de bolo enquanto o cerimonial tenta, sem muito sucesso, afastá-los do risco que isso significa”, escreve a fundadora da Cerimoniale Flávia Cavaliere.

Dia das Crianças - Foto Giovani Garcia

Para Roberto Cohen, a primeira regra de ouro é ler o convite de forma correta – não apenas absorvendo informações básicas como data e local, mas principalmente a quem ele está endereçado. “Caso esteja dizendo Sr. e Sra., não leve os seus filhos. Só o faça se vier escrito ‘fulano’ e família”, explica. Afinal, embora o cerimonialista pense que casamento não é lugar de criança, toda regra possui suas exceções.

De acordo com ele, quando os próprios noivos já têm filhos ou um número considerável de crianças em seu círculo mais próximo, é quase impossível evitá-las. “Não estamos falando dos filhos de conhecidos ou colegas de trabalho, e sim daquelas de contato mais estreito”, concorda a produtora Silvia Lopes, para quem é necessário fazer uma leitura do público de cada casal. De qualquer forma, quando o assunto é a presença dos pequenos em casamentos, há uma etiqueta a ser seguida tanto pelos noivos quando pelos anfitriões.

CONVITE ABERTO À CRIANÇADA: COMO RECEBER BEM?

Na opinião de Cohen, se você convidou a família toda e – durante o rsvp – a confirmação de crianças foi alta, invista em:

1. Animadores/ serviços de recreação

2. Espaço para elas brincarem sem atrapalhar a festa ou se machucar

3. Fraldário/ local para amamentação e bufê infantil

Dia das Crianças - Foto Love Shake

“Se você tem muitas crianças convidadas para o casamento, vale a pena contratar um espaço kids, pois assim elas ficam entretidas e em segurança e os pais conseguem aproveitar a festa sem preocupação”, concorda a recém-casada Luciele Milani Zem, 32, engenheira agrônoma e contadora.

Você sabia? Até certa idade as crianças não pagam os serviços de bufê, mas isso varia de empresa para empresa e, principalmente, de região para região. No Rio, Cohen conta que em geral pessoas de até dez anos não estão inclusas na conta e, até 12 ou 13 anos, pagam apenas 50% do valor total. Já no Paraná eles estão isentos de cobrança até cerca de seis anos e só pagam metade até mais ou menos o 11º aniversário.

“Mas é muito importante saber que, mesmo quando não pagam, elas se sentam. Por vezes os noivos só olham para a questão financeira e se esquecem de incluir as crianças na contagem das cadeiras”, lembra Silvia.

Uma ideia que vem ganhando muitos adeptos é investir em um lounge kids totalmente personalizado. A decoradora Clarissa Rezende, que hoje atua com base nos Estados Unidos, levou essa proposta para o casamento do filho de Martha Medeiros (que a gente publicou aqui no site!) e fez muito sucesso. De acordo com ela, o grande benefício é trazer conforto tanto para as crianças quanto para os adultos.

Dia das Crianças - Foto Tathi Carvalho

Clarissa também ressalta a importância de enquadrar a área infantil no estilo de decoração proposto para o evento. “Ela sempre é feita de acordo com o projeto da festa ou a partir de alguma coisa que os noivos gostem bastante. Em um casamento no qual o casal era louco por cachorros, montamos um espaço com essa proposta, inclusive na hora de escolher as brincadeiras, e eles adoraram”, conta.

Ainda segundo a profissional, existem algumas coisas que não podem ser deixadas de lado na hora de montar esse espaço, como a quantidade e faixa etária das crianças que irão para o casamento. Afinal, é a partir dos interesses característicos a cada idade que as brincadeiras serão traçadas e o número de recreadores, definido.

REGRAS DE ETIQUETA DO CONVIDADO PERFEITO

De acordo com Flávia Cavaliere, os pais que decidirem levar sua criança ao evento têm a obrigação de cuidar dela – mesmo se o espaço estiver equipado com o espaço kids. “Enquanto os pais se distraem, as crianças ficam soltas pelo ambiente podendo cair em piscinas, queimarem-se nos spots de luz ou até mesmo levarem choques por mexerem nas instalações elétricas”, argumenta a profissional.

Dia das Crianças - Foto Narciso de Souza Fotografias

Para Silvia, os convidados também devem se antecipar às necessidades de suas crianças. Não adianta chegar à festa esperando que o bufê sirva exatamente o que ela está habituada a comer, por exemplo. “O pai tem que entender a faixa etária do seu filho e ver o que ele pode levar para facilitar a logística”, explica a produtora.

“Além disso, se a sua criança estiver incomodando, vá embora da festa. Não tente encontrar lugares para ela dormir ou um espaço onde possa descansar. Mesmo as daminhas muito pequenas só devem permanecer até o ponto em que aguentam estar no evento. Daí em diante também devem ser levadas para casa”, postula Cohen.

E aí, gostou das dicas? Para continuar no clima de Dia das Crianças, veja uma matéria completa sobre diferentes possibilidades do espaço kids.


Créditos

1- Estúdio Marino  |  2-  |  3- LoveShake  |  4- Tathi Carvalho  |  5- Narciso de Souza Fotografias

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Nascida em Minas, criada em Recife e apaixonada pelo Rio. Viajar o mundo é seu sonho, o que torna luas de mel e destination weddings um caso de amor à parte. Escolheu o jornalismo pela inquietante vontade de transformar em palavras histórias que mereçam ser contadas.