Música Terapia na quarentena

Por  |  0 Comentários


Foi nas janelas e varandas que os italianos começaram a cantar para animar a vizinhança na primeira semana de quarentena. Do hino nacional às tradicionais canções italianas, o povo italiano mostrou que a música tem o poder de virar uma boa terapia e o mundo se encantou com os vídeos que bombaram na internet. Até que no dia 17 de março o DJ Daniele Cocuzza da cidade de Palermo teve a ideia de levar a sua alegria para os vizinhos fazendo um set muio animado de sua varanda. As imagens rodaram o mundo e na semana seguinte foi a minha vez de fazer uma Live diretamente da minha janela. Durante a semana eu anunciei a Live no meu Instagram e postei vários vídeos no Story. Foi um enorme sucesso! Os vizinhos adoraram, meu Instagram bombou e recebi diversas mensagens agradecendo. Acho que consegui levar um pouco de alegria para as pessoas. Essa é a missão dos DJs. Nos dias seguintes as Lives explodiram nas redes sociais!

 

Ver essa foto no Instagram

 

O poder da música! Tenho a sorte grande de trabalhar com música todos os dias! #italia #italia🇮🇹

Uma publicação compartilhada por Andre Werneck #djandrewerneck (@andrezwerneck) em

Eu bati um papo com vários DJs e profissionais da música para saber o que eles tem feito nesse momento em suas casas e pedi para cada um sugerir uma música para tocar tão logo acabe essa pandemia. Uma hora #vaipassar!

No dia seguinte à minha Live, eu fiz um post para Fernada Scheller e Frederico de Assis da Entreatto com o desafio de cantar na varanda de casa. Desafio aceito na hora! “Foi lindo, André! Os vizinhos cantaram conosco e postaram muitos videos!”, escreveu Fred pelo WhatsApp. Sobre a música, ele respondeu: “Bella Ciao fez muito sucesso, o pessoal amou, bateu palmas, mas algumas músicas brasileiras são importantes, como Aquarela do Brasil e Cidade Maravilhosa”.

Quem também usou sua voz para levar alegria aos vizinhos foi o cantor Marcio Mendez. “Eu andei pelo meu próprio condomínio pensando em levar um pouco de conforto para meus vizinhos. Muitas pessoas filmaram e me mandaram os vídeos. Até pedi para as pessoas ficarem em suas varandas, mas algumas pessoas desceram, mas mantendo uma distância de segurança. Foi uma coisa muito bonita e muito emocionante. Foi um momento especial para mim e até dei uma chorada em algumas músicas, foi difícil de conter”. Sobre a música, ele elegeu “Hallelujah” do Leonard Cohen, “foi a música que me emocionou e simboliza bem esse momento”.

O DJ Dentinho, da Playbak Eventos optou em fazer vários ensaios temáticos durante a semana para dar uma “sacudida nesse corona”, como ele disse! “A ideia de fazer os ensaios foi movimentar a galera, colocar música na quarentena de todos e continuar fazendo o que eu mais amo! Essa é a melhor terapia que um DJ pode ter.”. Semanalmente ele escolhe os ritmos para tocar de segunda à sexta, sempre fazendo consutas nas redes sociais. O cardápio musical da semana teve Anos 90, House/EDM, Rock/Indie Rock, Funk Melody 90 e Nacionais. Aí eu perguntei qual foi o mais visto e ele não exitou: “Anos 90 bombou!”. A música escolhida para tocar ao final da pandemia é “No Scrubs” do TLC.

Já o DJ Marcos Mamede optou por criar playlists segmentadas. “Tem playlist de Soft Rock, Hip Hop, Disco Music, Bossa Nova, House, Remixes Nacionais, etc. É uma forma legal de interagir com pessoas que tem o gosto musical completamente diferentes”. As playlists são incríveis e vale a pena conferir, na hora que você quiser. A música escolhida pelo Mamede foi “O que é o que é?” do Gonzaguinha. “Essa música tem uma letra e uma mensagem com relação à vida!”.

Viver e não ter a vergonha de ser feliz, cantar e cantar e cantar a beleza de ser um eterno aprendiz. Ah meu Deus! Eu sei, eu sei que a vida devia ser bem melhor e será. Mas isso não impede que eu repita, é bonita, é bonita!

O DJ Marcelo Cupim também fez Lives para buscar alegria. “A Live foi uma forma de conectar com a galera de novo. A gente sente falta da alegria e da energia do público e das festas. A maioria dos DJs são viciados nisso”. Depois de conferir outras Lives, ele separou as músicas e editou algumas para dar tempo de tocar mais músicas. Tudo foi pensado para fazer o melhor possível em 1 hora (que é o tempo permitido) nas três redes sociais: Youtube, Facebook e Instagram. “As pessoas gostam quando você está na Live e fala o nome delas, lembra de alguma situação e foi prazeroso demais!”. A música que ele vai querer tocar quando tudo isso acabar é “Everybody’s free” da Rozalla! “Vai estar todo mundo livre, everybody’s free to feel good”.

A Rastropop do DJ Taw também está buscando maneiras de alegrar as casas nessa quarentena. “Criamos a campanha “Uma playlist por dia” para levarmos, de alguma forma, o que a gente tem de melhor para os amigos passarem pelo momento difícil”, disse Taw. Ao mesmo tempo, o DJ Lelo (de forma individual e não com uma ação da empresa), já fez Live de DJ. Nos próximos dias eles vão iniciar o programa chamado de “De Lero com o Lelo” (3x na semana até o final da quarentena), onde ele vai bater papo com os amigos do segmento de eventos e a transmissão será no instagram dele. Taw também está aproveitando o tempo para retomar alguns projetos pessoais, como a criação de uma conta para publicar suas poesias. Sobre a música que ele quer tocar quanto a quarentena acabar, é “Feeling good” na versão do Avicii! “Eu acho imponente e com um clima crescente!”.

Em São Paulo eu conversei com dois DJs que fazem parte do meu networking: Ronaldo Gasparian e Igor Cunha.

Gasparian é um perfeccionista e como o Instagram está derrubando boa parte das Lives, ele partiu para o Zoom, um aplicativo que as empresas usam para vídeo conferência. Ele criou uma sala para até 100 pessoas e a ideia era levar o clima de uma balada real. Pessoas bebendo, dançando e até se azarando. “O nosso trabalho é reunir pessoas e todo mundo se divertiu bastante!”. A música que ele quer tocar é uma produção dele mesmo. “Eu lancei a música e com menos de um mês não consigo mais tocar na pista. Assim que voltar quero tocar Find a Light!”.

Igor Cunha já fez uma Live e já programou outras, agora em parceria com a Alpha FM. Ele é DJ da rádio e o projeto é fazer pockets no perfil da rádio. “Daí faremos uma Live pocket do Radio Show que temos lá”, informou o DJ. Sobre a música: “eu mandaria a nova do Shapeshifters – Strength que está sensacional!”.

De São Paulo, desci um pouco até o Paraná para conversar com Mauricio Cury, um grande DJ e produtor. “Eu tenho dormido, comido, comido e dormido”, segundo Cury. Ele continuou: “Aproveitei para produzir meus Podcasts, deu uma atenção maior à minha web radio e no programa Mauricio Cury Radio Show, arrumei o meu estúdio de gravação de voz, tenho feito alguns remixes, estou produzindo algumas músicas autorais para lançar no decorrer do ano e também tenho feito Lives”. Quanto à música: “Estou produzindo uma versão de Além do horizonte, essa eu quero muito tocar!”.

Também conversei com um cara que sou fã, o funkeiro Danny. Ele aproveitou esse período de calmaria para trabalhar sua carreira artística. Danny está passando por um momento muito importante de sua carreira com o lançamento de músicas inéditas. “Aproveitei para produzir novas músicas, busquei compositores, fiz uma seleção, vou gravar um clipe novo com a Yza, uma artista que vem se destacando muito no brega funk (que foi o ritmo do verão) e em seguida vou lançar uma parceria com o Ferrugem, que já está pronta”. Sobre a música: “eu quero cantar uma música que tem uma mensagem muito linda e eu sempre canto em casamentos e 15 anos, que é Pais e Filhos da Legião Urbana. Todo mundo dá as mãos, se abraça e chora junto! Essa mensagem é bonita até para esse momento”.

Danny é morador de São Gonçalo e ali perto tem um time de DJs da pesada. Flavio Guanabara, Anry Teixiera, Gustavo Magoo, Alex Pim e Luciano Santiago, entre outros DJs de Niterói, criaram o movimento chamado Dance na Quarentena. Eu achei a ideia muito bacana e bati um papo com Flavio Guanabara. “Esse movimento uniu vários DJs que passaram a organizar repertório e horários para divulgar suas Lives”, disse Guanabara. Entre essas Lives, algumas temáticas e bem interessantes, como o Quiz Musical aonde Flavio Gunabara coloca músicas nacionais e internacionais de infantis dos anos 80, novelas, temas de filmes, etc. Como a maioria assiste a Live pelo celular, fica impossível usar o Shazam para descobrir o nome da música, dando mais realismo á brincadeira. “Também temos Lives feitas com equipamentos antigos, como toca-discos e os primeiros CDJs da Pioneer, o CDJ 100 e outras temáticas como Baile Charme, Baile Funk das Antigas e Punk Rock”, concluiu Guanabara. Sobre a música, ele indicou “O sal da Terra” do Beto Guedes. “Até me emociono nesse momento tão difícil”.

Deixei para o final o depoimento de um grande parceiro de muitas e muitas festas incríveis, o saxofonista Stanley Netto. Nosso encontro aconteceu por acaso em um evento que chegou a ser cancelado. São os encontros da vida e surgiu uma grande parceria. Além de ser um músico incrível, Staley está se graduando em fisioterapia e faz um trabalho que eu desconhecia ajudando idosos. Nesse momento ele está estudando para as provas e lendo artigos cientícificos. “Já li quase 50”, disse Stanley. Agora vale a pena ler o depoimento dele: “Cheguei a fazer umas aulas online com o Illan Kriger (produtor do Sul) para melhorar o áudio das Lives e fiz uma brincadeira de 45 minutos tocando sax e outros instrumentos. Mas estou envolvido no Lar de Francisco, no Riachuelo…”. Pausa no depoimento para uma explicação. O Lar de Francisco é um asilo de idosos que fica na rua Filgueiras Lima, 99 no Riachuelo, RJ. Voltando ao depoimento do Stanley: “…e estava seriamente envolvido numa questão no Lar porque os idosos estavam sem comida e fraldas e fiz uma campanha para levantar fundos e consegui. Fui receber e entregar e não tive tempo para fazer as Lives como gostaria”. Fica aqui a minha admiração e o meu profundo respeito, ainda maior, à esse grande músico e amigo querido. Também fiz a minha doação. Para encerrar nosso papo, pedi para ele escolher uma música para tocar quando tudo isso passar. Ele escolheu duas! “Eyes” do Vintage Culture e “These days” do Rudimental com participação da Jess Glynne, Macklemore e Dan Caplen.

Eu também quero participar e escolher uma música! Acho que “Viva la vida” do Coldplay é uma música perfeita para esse momento! As pessoas estão isoladas em casa e com saudade de ver gente, comemorar, dançar, respirar. Essa é a minha aposta!

Além do meu Podcast que está disponível no iTunes, Deezer e Tune In com mais de 160 episódios, eu também tenho algumas playlists bem legais. Nesse momento de pandemia, a playlist mais ouvida tem sido “Resumo do Mostarda Sunset 80-90” com músicas maravilhosas e versões incríveis. Uma trilha especial para trazer paz de espírito e alma. Eu recomendo.

Acesse o meu site e fique por dentro de mais novidades.

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

DJ expert há 30 anos e pai de quatro filhos, ele dividiu sua experiência no livro Histórias Inesquecíveis de Casamentos, onde conta casos inacreditáveis e prova todo seu profissionalismo. Respira música e mistura seu feeling com arte, já que é formado em Design e pós-graduado em Marketing. Suas maiores paixões? Filhos e música. Adora scuba diving!