Como é fazer o próprio vestido de noiva

Por  |  0 Comentários


Aqui, santo de casa faz milagre sim! Duas estilistas driblaram as dúvidas e expectativas – de todos e delas próprias – na hora de assinar o próprio vestido de noiva e contaram tudo pra gente. Quer ver só todos os detalhes desse processo? É pra já!

Elas vivem em seus ateliês entre tecidos e croquis e têm – literalmente – nas mãos, a missão de personificar, em um único modelo, a personalidade, o gosto e o estilo daquelas que estão com o pé no altar. Lidam tanto com noivas certas de suas escolhas, como com as gostam de tudo – e também as que não gostam de nada. Trabalham durante meses, mexendo daqui e ajeitando dali, em cima de um propósito, para chegar a um único resultado final: o de transformar um sonho em realidade.

Mas e se estivessem do outro lado? Como seriam e Dani Lanna como noivas? Ou melhor: como seriam como noivas e, ao mesmo tempo, estilistas? Nos dias 4 de junho de 2010 e 8 de outubro de 2016, respectivamente, elas nos deram essa resposta. Uniram profissão ao sonho do casamento e agora nos contam todas as dores e delícias de assinar o próprio vestido de noiva. O resultado dessa experiência (quase que) indescritível? Você descobre aqui e agora!

Como é fazer o próprio vestido de noiva: vestido de Dani Lanna - Foto Rodrigo Sack

O BÔNUS E O ÔNUS

“Se para todas as meninas já é um sonho casar, imagina para uma estilista casar e ainda criar seu próprio vestido. É maravilhoso, um privilégio!”. Assim definiu Dani Lanna quando perguntamos qual era a sensação de unir o lado profissional ao pessoal. Mas não se deixem enganar: nem tudo são flores. Assim como todas as noivas de qualquer profissão, elas também encontraram obstáculos ao longo do caminho. nos contou, inclusive, que o processo foi muito mais difícil do que imaginava, principalmente pela pressão que sentiu ao seu redor – de clientes a familiares –, já que todos queriam dar um palpite de como o vestido deveria ser. “Por trabalhar diretamente com isso, as pessoas já te julgam de alguma forma. Chegava uma e dizia ‘você como estilista jamais pode colocar um vestido branco’, e aí vinha outra e falava ‘você como estilista não pode deixar de ter vestido branco’. Isso me deixou muito angustiada porque eu comecei a tentar reunir, além de todas as coisas que gostava, tudo que as pessoas me falavam”, contou a designer. Os questionamentos só cederam espaço às decisões certeiras quando se deu conta de um fato: tinha que fazer o que ELA própria gostasse – sem levar em conta as opiniões externas.

Apesar de se considerar uma pessoa decidida e segura, outra dificuldade que encontrou no meio do caminho foi a de driblar a insegurança quando o vestido começou a tomar formas. “Eu colocava mais flor, mais pluma. Tirava, colocava. Ficava até de madrugada no atelier com o manequim testando”, relembra. A tranquilidade só voltou a reinar quando se livrou das incertezas e percebeu que tudo estava lindo como desejava profundamente.

Como é fazer o próprio vestido de noiva: making of de Dani Lanna - Foto Rodrigo Sack

O ESTILO IDEAL

Por nunca ter tido um vestido dos sonhos, Dani partiu do zero – o que fez do processo ainda maior desafiador. “Normalmente as clientes já chegam com um desejo. Podem não saber detalhes, mas sabem que querem um decote V, uma saia mais fluida, ou algum outro elemento que não pode faltar. Eu não sabia nada, parti do zero”. Carol já tinha os detalhes do shape, estrutura e modelagem definidos, mas também não sabia como seria o estilo de fato. Só tinha uma certeza: seria um modelo justo ate a cintura e com saia A para valorizar o seu biotipo. “A parte mais difícil para mim foi a dos tecidos e detalhes. Lembro que fiz um caderno inteiro de criação e inspiração, porque na época não tinha nada dessas mídias sociais. Eu comprava todas as revistas de moda e casamento e saía recortando, depois fazia milhões de colagens e esboços de desenhos para tentar descobrir o que eu queria”. Ela também conta que começou a produzir o traje, de fato, apenas quatro meses antes do casamento – e porque realmente tinha que começar. Sua vontade – como uma boa profissional da moda – era a de ficar brincando de criar para sempre.

ELEGENDO OS FAVORITOS

Como trabalham diretamente com o wedding world, Carol e Dani são bombardeadas todos os dias por referências e tendências dos mais variados estilos e tipos. Para eleger um (ou alguns) para chamar de seu, Carol conta que, por gostar de quase todos, foi por ordem de prioridade. Descartou, uma a uma, até sobrar poucas opções para escolher. “Tenho paixão por milhões de rendas, tecidos, cores, flores, plumas. Mas sabia que não dava para usar tudo. Tive que ir descartando até chegar num momento que consegui juntar várias que eu gostava”. Dani, por sua vez, não tinha muitas preferências específicas. Além da manga comprida para valorizar seu corpo, queria uma cauda comprida para a igreja, mas não queria suspender na festa, apenas que ficasse menor. “Então veio a opção de fazer uma cauda removível para a cerimônia e o vestido em si com uma pequena, para ficar solta durante a festa, sem comprometer a animação na pista de dança”. Dito e feito: os modelos ficaram lindos – e a cara delas.

Como é fazer o próprio vestido de noiva: vestido assinado por  - Foto Carolina Cattan

O CONFORTO DO VESTIDO DE NOIVA

O conforto do vestido de noiva, assim como sapatos e acessórios, foram itens indispensáveis para , que gosta de estar sempre arrumada, elegante e bem vestida. “Não gosto muito de ficar me ajeitando, nem de ficar apertada demais, por isso o conforto realmente era indispensável para mim”. Entretanto, a modista acredita que hoje em dia algumas noivas têm se desprendido um pouco desse conceito. “Se ela quer uma manga comprida, ela usa porque é lindo, não importa o desconforto que vai ter. Mas se a noiva quer o conforto acima de tudo, não pode escolher a manga comprida. É mais ou menos essa equação”, explica. Esse foi exatamente o caso de Dani Lanna, que apesar de não fazer do conforto a sua prioridade, acabou construindo um modelo, além de lindo, que lhe proporcionou bem-estar físico e mental. “O vestido tinha um corselet bem justo, pois diferente da maioria das noivas, eu não consegui emagrecer para o casamento. Mas como foi feito sob medida, ficou superconfortável e perfeito para meu corpo!”.

RESULTADO FINAL

A escolha do vestido é sempre difícil porque sintetiza o que você gosta e principalmente quem você é. Então, depois de saber um pouco mais a respeito do (árduo e doce) trabalho de confeccionar o próprio vestido, que tal vermos quem elas são?!

“Optei por usar um tule bordado com flores em relevo 3D, aplicadas na barra da saia e no topo. Na manga e decote, usei o tule point d`esprit francês. Achei que ficou superdelicado e feminino e fugiu do modelo clássico de manga comprida de renda. O arremate das costas e manga foi feito com botões forrados e um viés bem fininho de organza, finalizado com um lacinho chanel. O vestido tinha uma pequena cauda e outra cauda removível, de mais de dois metros, feita de cetim de seda com sobreposição de organza que foi usada apenas na igreja!” Dani Lanna

“Meu vestido de noiva foi nude e feito de um tecido italiano bem bacana chamado cetim duchese. Utilizei também uma sobreposição de tule de seda, que é bem delicadinho, com um leve franzidinho pra criar um efeito “nuvem”. Eu queria muito fazer um vestido que fugisse das cores tradicionais e isso em 2010 não era tão usual, por isso foi superdificil achar um tom tão delicado e bacana para um vestido. Quando o tecido chegou (ele veio da Itália), achei muito escuro e forte. Minha solução para dar uma “apagadinha” no tom foi sobrepor um tule de seda off white, que deixou o visual um pouquinho menos rosa. Também quis colocar a renda de alguma forma, mas sem deixar um modelo inteiro rendado nem com aplicações, que não combinam muito com meu estilo pessoal. Minha ideia foi utilizar uma renda francesa plissada que eu tinha, recortada para fazer flores. Essas flores foram rebordadas com pérola, madreperóla, cristal, pluma… Então terminou ficando um vestido muito rico, muito rococó. Ele tinha até um “quê” de barroco. Outro elemento que usei e era super novidade na época foi o tule illusion francês cor de pele para fazer uma blusinha toda bordada. Ficou incrível!”

Como é fazer o próprio vestido de noiva:  de noiva - Foto Carolina Cattan

SATISFAÇÃO A MIL!

Para Dani, recém-casada, a parte mais incrível foi ver o resultado final e o sorrido da família, amigos, e claro, o noivo, ao admirar a sua obra de arte. Carol, que subiu ao altar seis anos atrás, se sente realizada por enxergar que o vestido ficou exatamente a sua cara e seu sonho. “Naquele momento, naquele dia, naquele ano, aquele vestido não podia ter sido mais perfeito para mim. Ele representou exatamente quem eu era ali, e essa é a parte mais satisfatória: ver que, assim como realizo o sonho de tantas outras pessoas, pude fazer o meu virar realidade também”.

DE ESTILISTAS (E EX-NOIVAS!) PARA NOIVAS

  • “Leve a festa com leveza! Esse momento deve ser alegre, feliz, de união de famílias, de união da noiva com o noivo, enfim, é um marco na vida dos dois. A partir do momento que você contratou um bom profissional, não tem motivos para ficar insegura ou angustiada com alguma questão do casamento. Levando a festa da maneira mais tranquila e encarando que é para ser um evento bacana na vida de vocês, tudo fica mais fácil e dá mais certo. A questão da energia é realmente bem importante nesse momento”
  • “Curta cada detalhe dos preparativos e principalmente o dia. Soubemos aproveitar e realmente viver cada minuto deste dia especial e isto fez toda a diferença. O que comanda a festa é a alegria e amor dos noivos, e  esta energia se propaga e contagia a todos!” Dani Lanna

Como é fazer o próprio vestido de noiva: casamento de Dani Lanna - Foto Rodrigo Sack

+ INSPIRAÇÕES ♥

LET’S DO IT!

Amanda Guerra trabalha como designer no atelier que traz seu próprio nome, e como não poderia deixar de ser, desenhou seu próprio vestido tomara que caia, feito com renda toda bordada à mão. Na cerimônia ao ar livre, a saia removível de gazar de seda com forro de mousseline – confeccionada com mais de 30 metros para dar o volume e caimento que desejava – roubou a cena por ter o efeito similar à extensão de uma cauda, somando-se com o volume do véu de tule francês com crind. Ficou perfeito!

Na hora que comecei a organizar o meu casamento, veio o desafio de desenvolver meu próprio vestido. Por sermos muito animados, decidimos que casaríamos pela manhã para que a festa durasse mais tempo. Então não poderia usar algo muito simples, afinal o casamento foi grande e em um lugar lindo, e nem over, pois queria que o meu vestido conversasse com toda essa atmosfera leve e fluída de uma cerimônia de manhã e ao ar livre.

Como é fazer o próprio vestido de noiva: Amanda Guerra - Foto Bruno Stuckert e Celso Jr

ESTILOSA DA CABEÇA AOS PÉS

Nanna Martinez casou em um destination wedding na Bahia e é claro que não fazeria feio no grande dia! A estilista assinou seu próprio vestido, todo trançado geometricamente em viés de organza de seda, com renda de Lyon e aplicações de pérolas nas laterais do corpo. O decote era estilo nadador com transparência costas, cauda em organza de seda e base em neoprene nude.

Como é fazer o próprio vestido de noiva: Nanna Martinez - Foto Bruno Stuckert

FASHIONISTA

Marianna é estilista e, com base nas referências do Pinterest,  produziu a arte do seu vestido de noivaMaria Mendes, então, fez nascer um vestido nem branco, nem off-white, com retalhos de couro e tecido tingido de rose. O tradicional e antigo véu da avó ganhou outra função: foi preso à cintura, junto a um cintinho de metal – que garantiu o ar moderninho para o perfeito look de um casamento no circo.

Como é fazer o próprio vestido de noiva - Foto Studio Laura Campanella

Gostou de saber como foi fazer o próprio vestido de noiva? Comenta aqui embaixo!


CRÉDITOS

1, 2, 3, 5, 6, 7 e 9. Rodrigo Sack | 4 e 8. Carolina Cattan | 10. Bruno Stuckert e Celso Jr. | 11. Bruno Stuckert | 12. Studio Laura Campanella

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


ic indica

avatar

Uma sagitariana que tem a alegria como dom. É carioca, jornalista, tem 20 poucos anos e adora ser chamada de Duda. Como uma amante incurável de sorrisos e amores, espera que seu grande dia seja repleto deles. E que, assim como ela, você se torne uma multiplicadora fiel dessa dupla!