Dicas para acertar na escolha das alianças

Por  |  0 Comentários


Ela é um símbolo único, mas foi-se o tempo em que era simplesmente um “bambolê” de ouro na mão dos noivos. Muitas empresas especializadas em alianças para casamento investem em novas propostas a fim de agradar o exigente gosto dos casais. E se todos querem algo especial e bem diferente, vale dar asas à imaginação e pensar em detalhes originais. Como é um item tradicional e que será usado todos os dias (para sempre, mesmo!), se desapegar dos modismos é o conselho número um. A coordenadora de jornalismo aqui da Inesquecível Casamento não poupou criatividade e gravou dentro das alianças uma parte da música que entrou na cerimônia – na dela, “eu não existo sem você”; na dele, “não há você sem mim”, trechos de Eu não existo sem de você, de Tom e Vinícius. Demais, né? Separamos aqui dicas para acertar na escolha, seja no tamanho, espessura, modelo, design ou cor. Quem manda é os noivos!

Karola e Leo

Marcello Campos, designer de joias

• Escolha uma aliança confortável, que vocês realmente gostam. Afinal, é para usar todos os dias e em qualquer ocasião
• Esqueça os modismos e opte por peças atemporais. É legal guardar uma graninha para dedicar a elas
• Uma das alianças mais pedidas é feita em ouro champanhe (exclusividade da loja) e ainda podem ganhar diamante branco e chocolate
• Aliança diferente para o noivo é uma boa pedida. Modelos mais despojados e modernos com diamantes negros ficam um charme
• Na hora de escolher o tamanho, a dica é: deixe a aliança passar pela junta apertadinha e girar facilmente no dedo após passar por ela
• Se quiser fugir do óbvio na hora de gravar, copie a ideia de alguns casais: vale gravar trechinhos de poema, frases de amor e músicas, além dos nomes e data do casamento

Karola e Leo

H.Stern, marca de joias

• Lembre-se que a aliança é para o resto da vida, além de confortável é preciso que seja resistente ao uso diário, já que nunca será retirada do dedo
• As alianças “meia-cana” – retas no contato com o dedo e abauladas na parte superior – são muito procuradas. Mas modelos exclusivos têm caído cada vez no gosto dos noivos. Dar personalidade às alianças é o segredo
• Na H.Stern são mais de 15 modelos em tons, cores, texturas, formas e espessura
• Atenção! Ao optar por uma aliança com formato ou cor diferente, pense no significado dessas escolhas para vocês… Afinal, a moda passa e, se o significado for especial, nada disso vai importar
• Costanza Pascolato propôs um modelo de aliança cheia de curvas, que remete à realidade do casamento, com seus altos e baixos. Que tal?
• Ouro amarelo continua em alta. Alguns casais low-profile preferem tons mais neutros, como o ouro nobre – linha exclusiva da H.Stern, que combina o ouro branco e o calor do ouro amarelo

Alianças HStern
• Como geralmente elas são compradas para o noivado e usadas durante este período na mão direita, se os noivos forem destros, é bem provável que a medida da mão direita seja maior do que a esquerda. Por isso, antes do casamento, se necessário, faça um ajuste com polimento nas peças
• A aliança não deve ter muitos detalhes aparentes. Se tiver que fazê-los, o ideal é escolher a parte interna para dar asas à imaginação
• Cuidados com as alianças: tire as alianças do dedo ao mexer com produtos químicos, pois eles podem danificá-las
• Ela vai arranhar com o uso? Sim, mas é normal e não se deve mandar polir constantemente, já que o polimento excessivo desgasta a joia. Para isso, basta um pano limpo e seco
• Alianças com brilhantes merecem revisão a cada dois anos. Com o uso, as garras podem se abrir de forma imperceptível para nós, mas para um especialista isto não passará

Foto Marina Lomar

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Jornalista mineira, dona de uma coleção de sonhos e apaixonada pelo o que é leve. Nunca subiu ao altar, mas nutre a certeza de chegar lá com seu amor da vida. Adora combinar palavras para contar histórias e assume ter uma queda por casamentos ao ar livre.