Baixe
aqui
seu
E-BOOK
x

Ilhas gastronômicas: tendência de buffet para casamento

Por  |  2 Comentários


Prontos para conhecer a nova sensação de buffet para casamento? Elas chegaram com tudo e caíram no gosto de noivos dos mais diferentes estilos. Vem ver!

Tendência hot para um casamento antenado, as ilhas gastronômicas chegaram com tudo e prometem dar um up no bufê da recepção. Opções não faltam: ilhas fixas, degustações volantes e até food bikes superestilosas. Para apresentar esse universo de possibilidades escalamos um time de profissionais experientes e empreendedores que não pensaram duas vezes ao embarcarem em novas ideias.

COMO FUNCIONA 

Liberdade para os convidados: as pessoas podem escolher a melhor hora para comer, assim sobra mais tempo para interagir e curtir a festa (Rappanui Gastronomia)

O novo clássico: nas recepções mais tradicionais as ilhas funcionam bem como um complemento da entrada servido junto ao coquetel (Ecila Antunes Gastronomia)

Só ilhas: se quiser dispensar o bufê invista em um coquetel farto, algumas opções de pratos volantes e mantenha as ilhas até o final da festa (Ecila Antunes Gastronomia)

Ilhas Gastronômicas - Ecila Antunes Gastronomia - Foto: Juliana Pessoa

Ilha gastronômica + bufê: reserve para a ilha pratos fáceis de comer (que possam ser degustados em pé) e que não tire totalmente o apetite para o jantar. E nada de repetir pratos na ilha e no bufê, ok? (Ecila Antunes Gastronomia)

Mesa de doces + brigaderia (tá liberado!): elas se complementam e funcionam muito bem juntas. Com a atração é possível reduzir até dois doces por convidado na mesa (Desire Cacau)

O combinado não sai caro! O custo é calculado por tempo de trabalho ou quantidade de produto oferecido. Tudo depende do bufê, tipo de ilha e até cardápio oferecido. Por isso deixe tudo acertado com o fornecedor antes da festa (Daniela Siani Cerimonial)

Buffet para casamento - Buffet Monique Benoliel - Foto: Rodrigo Azevedo Fotografia

Na ponta do lápis: 800 gramas de comida por convidado é o recomendado. Mas se o casamento tiver somente ilhas e nenhum outro serviço de bufê a quantidade deve subir para 1,5 kg (Buffet Monique Benoliel)

Regras básicas: todas as ilhas devem ter quantidade suficiente para todos os convidados (mesmo que haja mais de uma). Se escolher uma culinária temática sempre ofereça outra opção (Daniela Siani Cerimonial)

Atenção! Na hora de contratar o fornecedor analise o cardápio, tamanho da equipe, forma de reposição e o material. Não adianta ter a comida se não tem equipe, logística e louças para servir ()

O QUE SERVIR

Para não errar na mão! Ao escolher qual tipo de ilha gastronômica (fixa, degustação, volante ou food truck) tenha sempre em mente o perfil e a cultura dos seus convidados (Daniela Siani Cerimonial)

Sabor do mar: casamentos na praia pedem menu rico em peixes e frutos do mar. Para servir, conchas naturais e cascas de coco são uma boa pedida (Ecila Antunes Gastronomia)

Memória gastronômica: escolha um prato favorito de vocês, receita de família ou até aquela culinária internacional que adoram para a ilha gastronômica. Isso vai deixar o bufê com muito mais significado (Daniela Siani Cerimonial)

Clima de fazenda: abuse do cobre e materiais rústicos nos casamentos no campo. No menu, sopinhas sempre fazem sucesso (Ecila Antunes Gastronomia)

Buffet para casamento - Rappanui Gasttronomia - Foto: Giovani Garcia

Sem repetições: nunca ofereça o mesmo prato na ilha e no serviço volante, aproveite para dar mais opções aos convidados (Rappanui Gastronomia)

De olho na estação: saladas com flores comestíveis e peixes fresco são indicados para o outono e a primavera. No verão aposte em sopas frias, ceviches e bruschetas. Já para o inverno, cremes quentinhos não têm erro (Buffet Monique Benoliel)

Experiência gourmet: se quiser inovar ofereça várias ilhas. Mas cuidado: as culinárias têm que se relacionar entre si e fazer parte de um contexto geral (Daniela Siani Cerimonial)

Buffet para casamento - Rappanui Gastronomia - Foto: Giovani Garcia

Break time: vai casar durante a semana? Então disponibilize uma ilha fixa já no começo da festa. Como os convidados saem do trabalho e se arrumam às pressas para ir ao casamento muitas vezes não têm tempo de comer. Isso impede que eles sintam fome até o início do bufê

PARA QUEM GOSTA DE INVENTAR MODA!

Doce espera: ofereça um quitute de boas-vindas, ele pode ser servido até mesmo antes da cerimônia, sabia? Principalmente em casamento ao ar livre  (Bike Retrô Gourmet)

Move on! Aposte na originalidade e dispense o serviço volante da estação para gerar mais circulação e interação entre os convidados (Bike Retrô Gourmet)

Ao vivo! Esqueça o que vem pronto da cozinha, o diferente é fazer na frente dos convidados e deixa-los escolher suas preferências (Bike Retrô Gourmet)

Buffet para casamento - Bike Retrô Gourmet - Foto: Divulgação

Instigue a curiosidade: capriche na ilha escolhida, menu e apresentação dos pratos. Dessa forma, todos os convidados vão fazer questão de conferir a atração, até os mais tradicionais – acredite! (Buffet Monique Benoliel)

Gostinho de quero mais: distribua algumas amostras do bufê da ilha nas mesas para convidar as pessoas a visitarem a estação (Gusto Sonheria)

Capriche no visual: a decoração da estação também é importante para atrair os convidados. Aposte na personalização do truck (Gusto Sonheria)

Buffet para casamento - Gusto Sonheria - Foto: Divulgação

Para não passar despercebido: inclua a ilha no cardápio da festa, isso facilita a interação dos convidados com a atração (Desire Cacau)

ONDE POSICIONAR

Pausa para o replay: crie uma ilha fixa no final da festa com itens servidos na degustação volante. Assim os convidados repetem seus pratos favoritos ou provam os que não comeram antes (Daniela Siani Cerimonial)

No meio da galera: a brigaderia (seja fixa ou volante) funciona melhor próximo aos locais de circulação, como bar e pista de dança (Desire Cacau)

Buffet para casamento - Brigaderia - Foto: Victor Miguel

Rota de fuga! Posicione a ilha onde o caminho dos garçons até a cozinha seja facilitado. Eles não devem passar entre os convidados para repor o bufê (Daniela Siani Cerimonial)

Comer com os olhos: não posicione ilhas fixas em ambientes escuros como a área da pista de dança ou openbar, pois os convidados não veem direito o que estão comendo (Daniela Siani Cerimonial)

Crie um cronograma: defina quando e por quanto tempo a ilha será inserida na festa. O bufê japonês, por exemplo, deve ficar a disposição no mínimo por duas horas (e a fartura deve, impreterivelmente, prevalecer durante todo o tempo estipulado) ()

Buffet para casamento -  - Foto: Fábio Bahiense Fotografias

E aí, gostou da ideia de incluir ilhas gastronômicas no buffet para casamento? Conta para a gente nos comentários!

Conhece nosso Guia de Fornecedores? Veja quem são os profissionais mais indicados pela Inesquecível Casamento e acerte na escolha!


Créditos

1, 4, 5, 6 e 7 – Juliana Pessoa | 2, 13, 14, 16, 17 e 18 – Divulgação | 3, 11 e 12 – Giovani Garcia | 8 – Rodrigo Azevedo Fotografia | 9, 10 e 20 – Fábio Bahiense Fotografias | 15 – Digital Studio Produções | 19 – Victor Miguel

Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterPin on PinterestShare on LinkedInEmail this to someonePrint this pageBuffer this pageDigg thisShare on RedditShare on Tumblr


avatar

Uma paulistana que quer conhecer o mundo e encontrou no jornalismo sua forma de transformar paixão em profissão. Adora histórias e não resiste a uma boa conversa. Prefere miniweddings mais descontraídos, mas promete ajudá-la a deixar seu casamento exatamente como sonhou.